domingo, 19 de junho de 2011

ENTREVISTANDO SOLANGE VENTURI

(Por Diego EL Khouri)




Solange Venturi, carioca, "artista plástica. Formação: Parque Lage. Professores: João Magalhães e Nelson Leirner. Exposições: "Mão Dupla", MAC de Rosário - Argentina; "Projéteis Contemporâneos" - FUNARTE - Rio de Janeiro; 8.Salão Nacional Victor Meireles (SC); 8.Salão da Bahia; "Projeto Castelinho", Castelinho do Flamengo; "ZOOM", MAC de Campinas; Salão de Goiás; "O Ovo", curadoria Nelson Leirner, Parque Laje. Premiada no LVI Salão Paranaense - 
Curitiba PR".






Uma das propostas de sua arte é trabalhar  com os objetos já  construídos e não instantâneos. A idéia de movimento permeia boa parte de sua obra. Uma influência clara do trabalho fotográfico de Muybridge. Além da idéia de movimento, da repetição, o que mais sustenta sua arte?


A minha arte recebe influência de todos os lados, vem de dentro, vem de fora. Copio, invento, perverto. Não persigo unidade nem coerência, faço o que me dá na cabeça


A fotografia e a pintura são duas artes que por vezes se estranham. Uma fronteira difícil de romper, porém a todo momento você faz essas interferências.  Desenho com fotografia, pintura e fotografia, etc. Como trabalhar com fronteiras tão diferentes?

Na minha fotografia tem uma fase em que copio os modelos da História da Arte, criando uma tensão nas imagens clássicas, fazendo algumas interferências externas, mas procurando manter as cores da pintura, as poses. Isso se consegue com a fotografia. Na verdade, aquela primeira pintura foi cópia de um modelo vivo, e a fotografia é a cópia dessa cópia. Então, as  fronteiras acabam se  esbarrando, já que tudo é cópia e o original tá morto. Eu misturo tudo, ligado pelo mesmo fio condutor.



Nós fale da obra que fez você levar o prêmio no LVI Salão 
no Paranaense.

Ah essa aí, tenho uma certa dificuldade em falar dela. É um trabalho muito abstrato embora  o objeto, o boneco, seja figurativo. É um trabalho que fala do feminino, mas não só. É uma série onde o personagem (boneco) vai colocando as entranhas para fora enquanto uma fenda cada vez maior vai  se abrindo à sua frente. Fala do esvaziamento, do buraco  que todos nós  algum dia entramos ou entraremos, é inevitável. Fala também do próprio ato da criação em que você vai botando tudo prá fora e no final fica um vazio até começar tudo de novo. Viu? Acabei falando muito...


Você diz que  durante um bom tempo na EAV (Escola de Artes Visuais do Parque Lage)  foi uma  ouvinte constante  das palestras ministradas por Paulo Sérgio Duarte, Fernando Cocchiaralle, Ana Bella Geiger e Charles Watson. De que forma eles influenciaram sua arte?
 
Como eu disse mais acima, a influência vem de todos os lados. Então, receber informações também é  super importante pra ajudar a entender e a formar o discurso, mas na hora da criação  o que conta é o embate   de você com você mesmo, com a obra que tá sendo parida. E aí ninguém te salva... Não tem filosofia, não tem história da arte.
 
Há  uma discussão atual sobre o que é arte boa e ruim. Uns apontam a arte como função, outros como entretenimento. Você fica de qual lado? Há outros caminhos além desses?

Pra mim a arte não tem finalidade nenhuma, é um delírio do artista que precisa colocar pra fora suas ansiedades criativas. Primeiro faço pra mim, depois  é que sinto necessidade de mostrar ao outro. Se você quiser  muito atribuir um sentido, poderia te dizer que  a função da arte é fazer pensar. E aí, arte- entretenimento tá fora. Um vídeo do Bill Viola, por exemplo, mais incomoda do que diverte . Sou a favor da arte que causa desconforto, o que pouco se vê hoje em dia onde  tudo tá pasteurizado e politicamente correto. Vou a uma  coletiva  de arte contemporânea e raramente saio impressionada .É  tudo dejà vu, o discurso tenta substituir o trabalho em nome do conceito. Não que eu seja contra trabalhos conceituais . O Duchamp, mestre maior, pouca visualidade tinha em seus trabalhos. O que tem um urinol de ¨visual¨? Mas a idéia era genial. Ou você tem uma idéia genial que vira um trabalho ou então parte para um trabalho orgânico, visceral. O que fica no meio do caminho é uma merda.


O cabelo e o pêlo estão  presentes em sua arte quase sempre. Uma idéia explicita do erotismo, aquele erotismo às avessas, estranho e intenso. O que pretende com isso?

Não sei  bem o que pretendo. Você falou bem  quando disse erotismo às avessas, um  curador falou em erótico-não erótico, em buraco do corpo. Gostei dessas expressões. Na  verdade, o pelo é só mais um elemento, um material que uso. Acho que a questão presente no meu trabalho ta ligada ao corpo, identidade, sexo e morte, entre outras. Eu tenho outros trabalhos onde não tem pelos e são feitos com carimbos sobre papel e desenhos. Também já fiz muitas pinturas enormes,a maioria se decompôs, mofou. Mas o  corpo e suas questões  está no centro de tudo .  
 
Como você vê essa geração sem utopias?

Os utópicos são muito ingênuos. Essa geração é mais safa. Eu mesma fui muito boba e acho que ainda sou. Os meus sobrinhos, por exemplo, na faixa dos 14, 15, 22, são super espertos, sabem de tudo. São crias da Internet, recebem informações de todos os lados e não acho isso ruim, não. Acho que o  melhor tempo vai ser sempre esse em que estamos vivendo. Não sou saudosista não. Se você tem sede, vai buscar na fonte. Seja em qualquer geração, tem que  fazer suas escolhas. Tem espaço pros sonhadores e também  pros suicidas...


Praticamente todas as capas dos CDs do músico underground Rogério Skylab (seu marido) foram feitas por você. Falar de Skylab e não falar dessas capas é quase impossível. Como foi a produção dessas capas, desde a escolha do tema até a  forma de utilizá-las ?

 
Eu não escolhi nada, nem fiz os trabalhos pensando nas capas dele. Com exceção do Skylab 5 e 6. Eu fazia meu trabalho e ele sempre acompanhando tudo, acabava escolhendo algum para a capa dos seus cds. Simples assim. Quanto aos 5 e 6, as fotos foram feitas, especialmente, para aquele fim. O tema do nosso trabalho tem afinidade, daí  a escolha das capas, eu acho.

O que te motiva a criar?

Uma pulsão interna  nos leva a criar e o racional organiza isso dando o nome de arte. Senão seria só loucura.
  
Ainda vivemos sobre o signo da contracultura?

Não. Não acredito em  contracultura, malditos, underground. Hoje é cada um por si e Deus contra todos. Vivemos sob o signo do bizarro.

 Como deseja morrer? 


Abraçada ao Rogério.


6 comentários:

  1. Realmente esses dois são um casal muito louco!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Diego!! Por nos proporcionar essa experiência tão próxima com alguém que fala nossa própria língua, a língua de cada um! valeu!

    ResponderExcluir
  3. Não sei quase nada sobre artes plásticas. Agradeço ao blog Molho Livre pela oportunidade de ter algum contato com a produção e o pensamento de Solange Venturi. Valeu!

    (www.expressaoliberta.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  4. Maravilha de entrevista. Gostei de conhecer um pouco mais desse lado artístico da Solange, agora, concordo com a Anna, casal muito louco, cada um faz sua arte de um modo que completa a do outro. I Like It.

    Abraços.

    José Roberto
    Maknim 27
    Blog: http://maknim.blogspot.com/

    Ps: Postei como anonimo porque o micro bloqueia o login para comentários...

    ResponderExcluir
  5. Muito boa entrevista, Diego. Parece que neste casal existe aquele negócio de alma gêmea, rs. Solange também é uma provocadora com sua arte.

    ResponderExcluir