segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

VINNY GRIN, O ARTISTA DAS MÚLTIPLAS CORES

Por: Diego El Khouri

Mais uma entrevista bacana afim de devassar a cultura de nosso país. Essa é a vez do do artista plástico Vinny Grin dar seu recado. Artista de São Bernado do Campo (SP) e que tem um trabalho bem bacana no mundo pictórico.



1) Como é seu processo de criação?

Tenho um processo de criação oriundo da minha história religiosa no passado, ou seja, sempre me conecto de formas diversas a um plano espiritual que me orienta naquilo que devo pintar, as cores que devo usar e qual objetivo a arte se destina. E tem vezes que o meu processo de criação se dá como um remédio ora doce, ora amargo para simplesmente concluir um objetivo... uma espécie de lição de casa que tenho que fazer para entregar para a professora no dia seguinte (risos) 

2) Como foi seu início nas artes? Houve apoio da sua família? Se lembra da primeira tela que pintou?

Meu início nas artes acho que foi como a grande maioria, nas extintas aulas de educação artística lá nos meados dos anos de 1980... mas falando sério, a arte em si começou em minha vida como forma de cura psicológica que me atormentou logo após eu fechar um terreiro de umbanda no qual eu era o dirigente espiritual na época (é uma estória bem longa, conto em outra oportunidade). Minha família se resume somente em minha esposa, sim , ela sempre me apoiou em tudo que faço. A minha primeira arte foi uma mandala de 50cm pintada sobre MDF, tenho ela até hoje... bem mal feita.. (risos). Depois passei a tecer mandalas com fio de lã, pintei muitas outras mandalas e artes diversas em vidro (vendi todas) e hoje me dedico tão somente as telas.



3) Como é a cena cultural em São Bernado do Campo (SP)? Existe incentivo e espaços para mostrar seu trabalho para o grande  público?

Acredito que a cena cultural em minha cidade reflete a cena cultural de muitas outras, ou seja, se você for famoso e tem influências no cenário você terá todas as portas abertas, caso contrário, você será apenas mais um grão de areia no oceano, infelizmente!

4) O que pretende transmitir com sua arte (se é que queira transmitir algo)?

Na minha arte eu procuro transmitir alegria através da combinação de cores estrategicamente colocadas em seu devido lugar na tela que está sendo criada e pintada, ou seja, cada cor tem a sua energia, o seu poder e o seu devido lugar para que o mental / espiritual de quem a vê seja ativado. Pode-se dizer de forma leiga e sem aprofundar no assunto, que as minhas telas passeiam pelos campos da "decoração".   



5) A arte transmite o conceito de uma sociedade. Como enxerga a contemporaneidade e o país onde vive? 

Percebo que a sociedade mudou muito, e não poderia ser diferente. Evoluímos socialmente, adquirimos novos conhecimentos, rompemos barreiras, paradigmas, dogmas. Vejamos, antigamente, séculos passados, a arte sobre tela era a fotografia dos tempos atuais onde pintava-se apenas pessoas, tipo retrato ou foto de alguém ou grupo de pessoas. Hoje pinta-se qualquer coisa e tudo tornou-se arte, tudo é permitido, tem público para todos! Mas aqui no Brasil a arte sobre tela ainda é taxada como algo de gente rica. Muitos acham que artistas plásticos são ricos e quem compra uma arte é rico, mas todos esquecem que em todos os lares dos 4 cantos de nosso país sempre há pelo menos um quadro, seja ele uma plotagem de uma arte comprada em supermercados ou uma tela realmente pintada a mão. No Brasil não há incentivo para o artista de rua, para pintores amadores, para o "zé das couves" que rala o dia inteiro em seu emprego chato pra cassete e a noite pinta lindamente suas telas sem nunca ter estudado arte. O Brasil precisa mudar e rever seus conceitos de arte popular, pois adolescentes simulando sexo ao som de músicas de gosto duvidoso ao meu ver não é arte e sim incentivo a promiscuidade e vagabundagem. Alguns dirão que ainda assim isso é arte, mas eu pergunto a esses imbecis, você gostaria de ver sua filha simulando sexo em uma pseudo dança com um shortinho curtinho enfiado no rabo????...

6) O que te causa espanto?

A ignorância das pessoas. Uma coisa é você ser ignorante por realmente não ter formas de como obter conhecimentos e outra é a pessoa querer ser ignorante, falar errado, escrever errado, se comportar como um criminoso só para se sentir descolado. No Brasil a cultura da malandragem infelizmente é muito latente. É legal ser malandro, ludibriar as pessoas, ganhar vantagem em algo, subornar alguém etc.



7) Um livro.

Antologia Poética, de Vinícius de Moraes

8) Um filme.

Eu, Christiane F., 13 Anos, Drogada, Prostituída...

9) Epitáfio.

Volto logo! :-) 


10) Um recado para quem está começando nas artes plásticas.

Nunca desista na menor das dificuldades pois não há erros para quem faz arte, só há experiência e toda experiência lapida a pedra bruta dentro de cada um de nós e nunca , mas nunca mesmo deixe que pseudos professores de arte ou pseudos conhecedores de arte digam a você o que você deve ou não fazer em sua arte. Siga suas vontades e seus desejos e sempre tenha pelo menos papel e lápis na mão, pois certas ideias surgem do nada e você precisará rascunhar para depois ver no que vai dar...



11) Próximos passos

Eu gostaria de ajudar crianças e/ou idosos doentes em hospitais e/ou orfanatos ensinando o quase nada que eu sei, porém doando um pouco do meu conhecimento em arte para que as cores que utilizo possa ajudar a aliviar as dores de quem sofre nesses locais. Ah, gostaria de ter meu próprio ateliê, pois se vocês souberem onde eu pinto, vocês não irão acreditar, não mesmo (risos)... dica, trabalho com segurança pública :-) 

Obrigado a todos que dispuseram a ler esse bate papo e quem quiser seguir meu trabalho é só me adicionar no   Facebook/vinnygrin 




Nenhum comentário:

Postar um comentário