sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

DEITADO EM SEUS BRAÇOS

(Por Diego EL Khouri)




Cancelem minha ida ao paraíso, condenem os servos de deus e os escravos do abismo, estou de olhos abertos, mente dopada, ereto, caminhando entre escombros e as flores da guerra. que linda paisagem essa que beija novamente meus olhos! vomitar nas cabeças do amor, acariciar rostos desumanos, masturbar perante castelos. quem me condenou e me levou ao desespero entre humanos? estou puro, limpo. verdade... hoje não me droguei, nem desfiz minhas malas. há caveirinhas mexicanas enfeitando meu coração e estou rindo, rindo, rindo, rindo feito louco perante essa linda paisagem que se apresenta diante meus olhos!!! mais um dia de produção!! um toque leve de carinho sorrateiro. estou deitado em seus braços lambendo feridas. observe meus olhos, minha íris de uma beleza que não se extingue. na miséria novamente? foda-se!! quero o amor puro e a leve densidade... estou na contramão procurando mãos que me ergam, posso ir só, fica a meu critério. sinta meus beijos sinceros em seu pescoço e seios. estou de mente aberta em comunhão com o amor. a risada hoje será a música maior que abafará legiões de esquecidos e o desejo cultivará novamente a jornada sem pátria, família, incerteza, respeito ou gratidão... porque já dizia Nietzsche, "tudo é precioso para aquele que foi, por muito tempo, privado de tudo."

Nenhum comentário:

Postar um comentário