sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

MEUS DELIRIUNS

Essa é a edição número 3 do meu fanzine CAMA SURTA, que costumo definir como "folhetim coprofágico filosófico desimportante" ou "cagatório de experimentos". Um laboratório vivo onde despejo toda minha indignação pela arte atual vinculada nas grandes mídias. Ao meu ver há um resgate na poesia daquilo que apenas valoriza a técnica deixando de lado a essência e os instintos. Uma volta a uma espécie de um certo parnasianismo, porém um parnasianismo corcunda e sem graça.  Não apenas a poesia. Nas artes plásticas vejo isso também. Quando transgrido determinadas formas algumas pessoas observam apenas o caráter chocante do ato, mas não percebem a crítica velada, os signos, as metáforas e a tendência é rotular. "Louco", "pornográfico", "satânico", "bêbado",   "chulo", "imundo", "retardado", "idiota", são apenas alguns nomes que carrego. Ano passado (2010) eu expus no Teatro Basileu França um desenho que boa parte foi pintado com meu próprio sangue. Fui elogiado por um professor de artes; alguns dias depois  lhe entreguei  a primeira edição do Cama Surta (que saía na capa um indiano transando com uma boneca inflável), ele rasgou e disse que não tenho talento pra escrever, que deveria abandonar isso de vez. Já tive brigas na família devido a arte que traduzo e expulso de meu inconsciente. Por isso o Cama Surta  é totalmente irracional, louco e delirante para combater essa arte apenas racional.

 Nessa edição 3 saiu uma entrevista com o Glauco Mattoso (que também saiu no 1) e também uma entrevista com A Wild Blumen, uma grande artista que vale a pena conhecer. Além disso tem poesias, contos, aforismos, bizarrices, tanto de minha autoria quanto de outros, além de um soneto que meu zine arrancou do Glauco. O provocado inspirando o provocador.

Molho Livre. Primeira edição. Lancei exclusivamente no Rio de Janeiro quando estive lá em dezembro de 2010. A estrutura física e visual é semelhante ao Cama Surta, porém a abordagem é outra. A carga erótica do primeiro dá lugar a ironia ácida do segundo. Muitos confundem esse blog com o fanzine, mas o blog é outra viagem que difere muito dos meuz fanzines.



Quem se interessar em adquirir esses fanzines e outros mais é só mandar o endereço no email: diego.doug@hotmail.com

3 comentários:

  1. Eu tenho! A confusão que fazem entre blog e zine é por termos começado (e naufragado) um movimento E-zine que foi escorraçado pelos fanzineiros que na época (1999/2000) não tinham acesso a internet. Aí entrou em vigor a ditadura zine X blog e o resto é história!

    ResponderExcluir
  2. Altamente recomendável

    ResponderExcluir